O valor do acolhimento e a importância do convívio com crianças autistas

O Dia Mundial da Conscientização do Autismo, ou simplesmente Dia Mundial do Autismo, é comemorado em 2 de Abril.

A data visa ajudar a conscientizar a população mundial sobre o Autismo, um transtorno no desenvolvimento do cérebro que afeta cerca de 70 milhões de pessoas em todo o mundo.

Para celebrar essa data, convidamos algumas famílias para darem um depoimento sobre a importância do acolhimento e do convívio das crianças da turma com os amigos autistas. Confira:

“Gratidão, essa é a palavra. Definição do sentimento que tenho como mãe ao ver todo carinho, amor e aceitação da escola e das crianças com meu Julinho. Sinto-me segura e com o coração cheio de alegria ao deixar meu filho na companhia de seus amigos, que muitas vezes ensinam e aprendem, mostram ao Júlio o caminho do aprendizado e se permitem aprender com ele os valores reais da nossa existência”, disse Joyce Aline Tenório, mãe de Júlio César (8 anos).

Para Clarissa Cotrim, a convivência do filho com uma criança autista permite uma aula diária de amor, troca de afeto e carinho sem medidas.

“É um aprendizado que vai além dos livros, onde se aprende a se comunicar sem ter a necessidade de falar, apenas sentindo; aprende-se a interagir com gestos e muita ternura! Acredito que Matheus, assim como todos os amigos da turma, aprendem diariamente, convivendo com o Julinho, a principal lição da vida: respeitar as diferenças”, relata Clarissa.

“Todos os amigos da turma do Heitor têm muito carinho por ele, convidam-no para brincar, correr, tentam incluí-lo nas brincadeiras. Entendem e desculpam quando ele faz algo que não deveria. São amáveis e pacientes, tentam ensinar. Com muito respeito, cuidado e amor, aceitam o Heitor em suas diferenças, fazendo-o sentir-se acolhido e participante de algo maior, que é a amizade. Agradeço aos alunos, professores e funcionários pelo carinho e empenho. Admiro a instituição pela inclusão; trabalho árduo, porém recompensador”, disse Lídia Luna, mãe de Heitor.

De acordo com a psicóloga Adriana Pitta, a presença de crianças com autismo na escola fortalece ainda mais a ideia do respeito às diferenças, da necessidade de acolhimento, não só da criança, como também de sua família, e de um olhar diferenciado para as metodologias de ensino.

“A inclusão social traz benefícios para todos. Possibilita a ressignificação de crenças a respeito das capacidades que essas crianças têm nas dimensões pedagógicas e sociais. Para as crianças com autismo, estar na escola regular traz a possibilidade de novas oportunidades de convívio com outras crianças em diferentes espaços de aprendizagem, auxiliando no desenvolvimento de competências e habilidades fundamentais para o convívio em sociedade”, esclarece Adriana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *