Saiba como garantir uma adaptação escolar saudável

Junto com o primeiro dia de aula, vem também muitas expectativas, medos e anseios, pois sabemos que o início dessa jornada requer muito acolhimento, paciência e, claro, afeto.

Quando se trata de crianças que vão ter a sua primeira experiência na escola, isso tudo parece ser ainda mais desafiador. O período de adaptação abriga um processo delicado no qual a criança se desvincula do convívio em tempo integral com a família e passa a ser inserida em uma nova rotina, cercada também por pessoas desconhecidas para ela. Esse momento é essencial para um desenvolvimento saudável, permitindo a individualização, a autonomia, a segurança e a independência da criança, possibilitando que ela crie vínculo e se identifique com esse novo espaço que é a escola.

Essa mudança causa instabilidade tanto nas crianças quanto nos pais, que são peça fundamental para uma transição leve, que trará mais segurança e confiança para os pequenos.

Com a psicóloga Irene Torres, entramos nesse universo peculiar da adaptação escolar, explorando estratégias, desafios e conquistas desse período tão marcante na vida das crianças e de suas famílias.

  1. Quais estratégias a escola utiliza para criar um ambiente acolhedor e seguro, facilitando a adaptação das crianças ao maternal?

Para as crianças já veteranas, (que passaram do Minimaternal para o Maternal I) realizamos um tour para que reconheçam os ambientes e as professoras, proporcionando familiaridade. Além disso, envolvemos as famílias nesse processo, com a recepção feita pelas professoras antigas no primeiro dia de aula. Para os novos alunos, a escola lança mão de algumas estratégias que são combinadas com as famílias  em reuniões pedagógicas, promovendo um ambiente calmo e acolhedor, grande favorecedor da adaptação.

  1. Qual conselho você daria às famílias para contribuírem no processo de adaptação das crianças?

Recomendamos que a adaptação comece em casa, envolvendo as crianças na decisão pela escola. Mostrem o ambiente de forma antecipada para os filhos, conversem com eles sobre a escolinha, explicando que eles vão ficar um tempinho fora de casa todos os dias. É um processo de preparação mental e emocional das crianças.

Manter a rotina sem grandes mudanças nos meses que antecedem a entrada na escola é essencial (horário de sono, retirada de chupeta, desmame, desfralde). Além disso, construir uma relação de confiança com os educadores e estar atento ao que os profissionais observam são passos fundamentais.

Outra dica importante é que os pais estejam seguros no ambiente que vão deixar os filhos e construam uma relação de confiança com os educadores; só assim transmitirão essa segurança para os filhos.

‌É fundamental, ainda, ter um ouvido atento ao que as professoras, orientadoras e psicólogas irão dizer, pois os profissionais conseguem observar alguns aspectos que podem não ser percebidos pelos pais, que estão emocionalmente muito envolvidos. O controle da ansiedade deve também ser ponto de atenção. Quando a criança se volta com um olhar de hesitação, é essencial que o responsável consiga passar segurança.

  1. Como a escola estabelece os horários e a logística durante a adaptação?

Para os alunos que estão entrando na escola, nesses primeiros dias adotamos a estratégia de reduzir a carga horária. O tempo que a criança fica sem a família precisa ser paulatino, temos um período de no máximo 2 horas. Dividimos os grupos em horários diferentes para acolher e permitir que as professoras estabeleçam vínculos. Para os veteranos, procuramos manter o horário habitual. Focamos em uma adaptação humanizada, buscando abordagens individuais quando necessário.

  1. Quais são os principais desafios emocionais enfrentados pelas crianças durante o período de adaptação?

Inicialmente, as crianças enfrentam medos naturais do desconhecido. No entanto, o desafio pode aumentar em casos de pais com grande dependência emocional. Nesses casos, pedimos que outro acompanhante esteja presente, para proporcionar a segurança necessária sem apego excessivo.

  1. ‌Como identificar sinais de estresse e desconforto nos alunos e quais medidas tomar?

Utilizamos a observação, analisando expressões e olhares. Antecipamos comportamentos diferentes, chamando os pais para evitar desconfortos. Analisamos históricos e informações das famílias para identificar sinais de estresse e desconforto, agindo proativamente.

  1. Quais são os indicadores de uma adaptação bem-sucedida do ponto de vista emocional e social?

Uma adaptação bem-sucedida gera segurança. Uma criança segura é um adulto seguro. Costumamos dizer que crianças e adultos maduros vieram de processos de adaptação maduros e respeitosos. Ficamos atentos a sinais claros de que a criança está se sentindo acolhida, mesmo quando a criança não expressa isso verbalmente. Toda adaptação atenciosa nos ensina que o mundo é adaptativo.

  1. Qual é o diferencial do Espaço Educar nesse processo?

Na Espaço Educar, não somos apenas um instrumento na adaptação; acolher faz parte da nossa essência. Somos humanos e personalizamos esse processo, sabemos que cada criança tem o seu próprio universo, por isso, nunca escondemos nada dos pais, fazemos disso um processo de troca com as famílias. Valorizamos a individualidade de cada criança e mantemos uma comunicação transparente com as famílias.

 

Como transformar a alimentação escolar em uma jornada nutritiva?

Pensar em alimentação saudável na infância, vai além das práticas adotadas em casa. O que é consumido no ambiente escolar tem grande importância. É essencial que a escola tenha participação ativa na construção de hábitos alimentares benéficos para a saúde dos pequenos.

Na busca incessante por uma formação integral e saudável, a Escola Espaço Educar se destaca por seu compromisso com a alimentação nutritiva e balanceada de seus alunos. Para entender melhor esse trabalho, batemos um papo esclarecedor com  responsável técnica pelo setor de nutrição da escola, a nutricionista Vanessa Freitas. Além de projetos voltados à alimentação saudável, a instituição vai além ao produzir os alimentos consumidos pelos alunos, contando com um setor de nutrição, composto por profissionais comprometidos a inserir refeições nutritivas na rotina escolar dos pequenos.

  1. O papel da Nutrição na escola

O setor de nutrição desempenha um papel vital na promoção da saúde e no desenvolvimento cognitivo dos alunos. Ao priorizar ingredientes frescos e de qualidade, excluir alimentos processados, com alto teor de açúcar e frituras do cardápio, a escola contribui para o pleno desenvolvimento físico, acadêmico e pessoal de seus alunos.

Profissionais especializados asseguram a segurança sanitária em todas as etapas do processo de produção e distribuição alimentar. Desde a seleção dos insumos até ao preparo das refeições, são adotadas práticas rigorosas que garantem a qualidade e a integridade dos alimentos oferecidos. Dentre estas práticas estão: treinamento semestral com os colaboradores; planilhas de controle de tempo e temperatura; controle de produção e estoque e muitos outros cuidados para levar a melhor refeição até os pequenos.

  1. Educação alimentar: envolvendo as crianças nessa jornada

‌Os alunos não apenas se beneficiam de refeições saudáveis, mas também participam ativamente de atividades relacionadas à educação alimentar. A escola se preocupa em promover uma abordagem inclusiva, incentivando os alunos de todas as idades a compreenderem a importância de escolhas alimentares conscientes para uma vida saudável. O corpo pedagógico também é um aliado nesse projeto. Os educadores inserem no dia a dia das crianças, do Minimaternal ao 5° ano, atividades lúdicas e práticas para reforçar os benefícios da alimentação saudável.

‌Um exemplo de projeto que fez sucesso com as crianças foi a Semana da Alimentação Saudável, que ocorreu em outubro. Os pequenos participaram de contações de histórias, circuitos, aprenderam receitas e degustaram alimentos produzidos na escola. Tudo isso com o objetivo de trazer as crianças para mais perto dos alimentos saudáveis. Durante a semana, as crianças vivenciaram experiências enriquecedoras e foram lembradas da importância de manter uma alimentação rica e equilibrada.

  1. Montando um cardápio saudável e inclusivo

A Espaço Educar se destaca ao elaborar cuidadosamente um cardápio que atende às necessidades específicas e às restrições alimentares dos alunos. O setor de nutrição desempenha um papel crucial na montagem do cardápio, garantindo uma oferta inclusiva de refeições que respeita as diversidades alimentares dos pequenos.

A escola promove a abertura para o diálogo entre responsáveis e a coordenação da nutrição, incentivando a identificação de possíveis restrições alimentares ou hábitos específicos a serem contemplados.

Além dos hábitos alimentares, a instituição também considera as tradições culturais da culinária local, além de promover  um cardápio adequado as necessidades nutricionais da faixa etária atendida., segundo os órgão de referência como Sociedade Brasileira de Pediatria, Conselho de Nutrição e Ministério da Saúde.

Seguir os horários definidos para as refeições é outra preocupação da escola. Levando em consideração o tempo de permanência na unidade, incluindo os horários de chegada e saída, a escola busca proporcionar uma experiência alimentar balanceada e adequada ao ritmo das crianças.

‌‌

  1. Conhecendo esse modelo

Recentemente, a Escola Espaço Educar recebeu alunos do curso de Nutrição da Universidade Federal de Alagoas em uma visita técnica. Essa interação proporcionou uma troca enriquecedora de conhecimentos, onde os futuros nutricionistas puderam vivenciar de perto as práticas adotadas pela escola.

“Nossa experiência com a visita técnica foi maravilhosa. Podemos identificar profissionais qualificados e comprometidos com a instituição, que garantem a segurança higiênica e sanitária nos alimentos distribuídos”, declararam os estudantes da Ufal.

Em resumo, ao integrar alimentação saudável, segurança e educação nutricional, a Espaço Educar tem a missão de fornecer bons alimentos aos estudantes e, principalmente, formar cidadãos conscientes de seus hábitos alimentares e do impacto dessas escolhas em suas vidas.

Responsável técnica: Vanessa Freitas/CRN3263

5 benefícios de estudar inglês na Educação Infantil

No universo da educação, surge frequentemente a questão sobre a idade ideal para iniciar o aprendizado de um segundo idioma, como o inglês. A verdade é que a capacidade de absorção linguística das crianças é notavelmente elevada, tornando a Educação Infantil um terreno fértil para a introdução do inglês no currículo escolar.

Estudos apontam que nos primeiros anos de vida, o cérebro humano se desenvolve incrivelmente rápido. São milhares de conexões neurológicas novas, e aprender qualquer coisa nessa fase se torna muito mais fácil, inclusive novos idiomas.

Iniciar essa jornada ainda na infância pode ser motivo de dúvidas para muitos pais, portanto, o mais importante é criar uma relação saudável entre o pequeno e o novo idioma. O estímulo ao aprendizado desde os primeiros anos contribui positivamente para o aprendizado da criança.

Por isso, ter aulas de inglês na Educação Infantil é uma etapa crucial para o desenvolvimento da criança, contribuindo para o aprendizado ao longo de sua vida. No blog de hoje, vamos apresentar cinco vantagens cruciais desse processo educacional, destacando como ele pode moldar o presente e o futuro dos pequenos

1.Desenvolvimento cognitivo aprimorado

O cérebro das crianças está em constante desenvolvimento durante os primeiros anos de vida. A exposição a um segundo idioma, como o inglês, estimula áreas essenciais do cérebro, promovendo habilidades cognitivas, como a resolução de problemas, a criatividade e a capacidade de multitarefa. Estudos indicam que crianças bilíngues tendem a ter uma maior flexibilidade mental, o que pode ser um grande trunfo no mundo de hoje.

2.Facilitação na aprendizagem futura de idiomas

A primeira infância é um período crítico para a aquisição de habilidades linguísticas. Ao introduzir o inglês nesse estágio, as crianças desenvolvem uma base sólida em fonética, gramática e vocabulário que facilita a aprendizagem de outros idiomas no futuro. Esse é um investimento valioso que pode abrir portas para oportunidades acadêmicas e profissionais mais amplas no futuro.

3. Enriquecimento cultural

O inglês é uma das línguas mais amplamente utilizadas em todo o mundo. Ao aprender esse idioma desde cedo, as crianças têm acesso a uma vasta gama de recursos educacionais, literatura, filmes, música e mídia digital. Além disso, elas podem interagir com uma variedade de culturas e perspectivas, expandindo assim seus horizontes e promovendo a compreensão global.

4.Melhora na socialização

As aulas de inglês para crianças são um verdadeiro convite à sociabilização. Com aulas divertidas e atividades interativas, elas exercitam a língua e a convivência em grupo.
Além disso, as crianças conseguem se expressar numa segunda língua com bastante tranquilidade, pois não possuem as mesmas barreiras que os adultos. A naturalidade e a espontaneidade dos pequenos ajuda para um desenvolvimento livre de vergonha e timidez, possibilitando que eles consigam falar sem medo de cometer erros!

5.Estímulo ao crescimento profissional

O domínio do inglês abre portas para uma ampla gama de oportunidades profissionais, tanto no cenário nacional quanto internacional. As habilidades linguísticas são altamente valorizadas em setores como negócios, tecnologia, turismo e muito mais. Ao aprender inglês desde cedo, as crianças estarão se preparando para um futuro promissor e competitivo, com acesso a um leque mais amplo de carreiras e perspectivas de crescimento.

O ensino do inglês na infância é um investimento valioso no futuro das crianças. Além dos benefícios cognitivos e linguísticos, ele proporciona uma vantagem competitiva em um mundo globalizado. Ao promover o aprendizado de inglês desde cedo, estamos capacitando as crianças para enfrentar os desafios e aproveitar as oportunidades que o futuro oferece. Portanto, é uma decisão educacional que merece ser celebrada e incentivada em todos os aspectos.

Quer saber mais? Clique aqui!

 

Time campeão: conheça os colaboradores da Copa Funcionários Escolares

No dia 30 de setembro, a equipe da Escola Espaço Educar, formada por colaboradores de diversos setores, brilhou ao erguer o troféu de campeão na 1° edição da Copa Funcionários Escolares de Futsal de Maceió. Esta conquista vai além do esporte em si, ressaltando os inúmeros benefícios que o futebol traz para a saúde física e mental.

Jogar futebol é mais do que uma mera atividade física. É uma experiência que contribui para a união, a cooperação e a superação de desafios em equipe. Ao longo dos treinos e partidas, os integrantes do time consolidaram laços de amizade, criando um ambiente de trabalho mais integrado e colaborativo. Isso influencia no ambiente escolar, onde a cooperação entre colegas é um alicerce crucial para o sucesso educacional dos alunos.

Além disso, a prática do esporte é uma ferramenta valiosa para aprimorar a qualidade de vida dos colaboradores. Investir nessa atividade traz inúmeros benefícios para a saúde física e mental dos praticantes.


Vamos conferir quais são esses benefícios?

1. Aprimoramento da resistência cardiovascular:

O futebol envolve corridas intermitentes, mudanças de direção e movimentos intensos, o que promove o fortalecimento do sistema cardiovascular. Isso resulta em um coração mais eficiente, capaz de bombear sangue e oxigênio de forma mais eficaz para os músculos durante a atividade física e no repouso.

2. Desenvolvimento da coordenação motora:

O jogo exige habilidades como dribles, passes, agilidade e chutes ao gol. assim o atleta aprimora a coordenação entre olhos, mãos, pés e corpo, beneficiando a precisão dos movimentos.

3. Promoção de uma vida ativa e saudável

Ao participar de atividades esportivas como o futebol, os colaboradores estão mais propensos a manter um estilo de vida ativo, reduzindo os riscos associados ao sedentarismo, como obesidade, diabetes e doenças cardíacas.

4. União e cooperação em equipe

O futebol é um esporte coletivo que exige comunicação, confiança e cooperação entre os jogadores. Isso fortalece os laços de equipe, promovendo um ambiente de trabalho mais positivo e colaborativo. Além disso, proporciona momentos de descontração e diversão entre os jogadores, criando laços de amizade que vão além do ambiente de trabalho.

5. Melhora da Saúde Mental e Bem-Estar Emocional:

A atividade física libera endorfinas e neurotransmissores associados à sensação de bem-estar. Isso pode reduzir sintomas de ansiedade e depressão, promovendo um estado mental mais equilibrado.

6. Redução do estresse e ansiedade:

O futebol é uma ótima maneira de liberar a tensão acumulada. O jogo proporciona um ambiente divertido e desafiador, permitindo que os colaboradores se desconectem da rotina do trabalho.

Investir na prática do futebol não é apenas um investimento no esporte, mas também na saúde e qualidade de vida de todos os envolvidos., onde os frutos se estendem não apenas aos praticantes, mas também aos alunos que são inspirados por esse exemplo de trabalho em equipe e superação de desafios.

 

Saiba o segredo por trás do nosso material pedagógico

Você já parou para se perguntar como os módulos, provas e agendas chegam até as salas de aula? A resposta está no Centro de Produção Pedagógica (CPP), uma equipe formada por profissionais dedicados a deixar o processo de aprendizagem eficiente, com soluções criativas, para proporcionar uma experiência ainda mais agradável.

Na Escola Espaço Educar, existe um time talentoso que trabalha incansavelmente para garantir que esse material pedagógico utilizado na escola seja da mais alta qualidade. Além dos materiais mais tradicionais, o CPP também é responsável por produzir peças como: jogos, álbuns, cenários pedagógicos, decoração para eventos e muitas outras atividades especiais.

Quem são os integrantes do CPP?
No setor do CPP, encontramos quatro profissionais que são os pilares da produção do material pedagógico: a supervisora Julyane Lima, as designers gráficas Vanessa Barros e Jéssica Leandro e o ilustrador Emerson Freitas. Essa equipe conta, ainda, com alguns consultores especialistas que prestam consultoria, potencializando ainda mais a produção. Tudo isso para criar um conteúdo educacional cativante e eficaz, que ressoa em nossos alunos e educadores.

O processo por trás do material pedagógico
A produção do material pedagógico é um processo meticuloso e cuidadosamente planejado. Tudo começa com uma reunião de ideias, onde a equipe pedagógica discute com o CPP os objetivos e os tópicos que serão abordados no material. Uma vez que o plano está definido, entra em cena o ilustrador, que transforma conceitos abstratos em imagens envolventes, despertando a curiosidade dos alunos.

As designers entram em ação para dar vida às ideias, criando diagramações atraentes que combinam perfeitamente com a identidade da escola. Cada página é projetada com atenção aos detalhes, desde as cores até a tipografia, para garantir que a experiência de aprendizagem seja visualmente estimulante.

A supervisora monitora todo o processo. Ela assegura que os prazos sejam cumpridos, mantém a comunicação fluindo e garante que cada etapa do processo esteja alinhada com os padrões de qualidade da Escola Espaço Educar.“O segredo está no acompanhamento de todas as etapas, desde o planejamento de cada solicitação, bem como o processo de produção, validação e finalização. Ter conhecimento e entender o que está sendo solicitado é essencial para que o material seja produzido com qualidade e de forma que atenda às necessidades de quem está solicitando”, destaca a supervisora Julyane Lima.

Produção e Gráfica
A gráfica é uma grande aliada do CPP, pois desempenha um papel crucial no processo de produção do material pedagógico. Uma vez que o conteúdo visual e editorial está finalizado, a gráfica participa da transformação de todos esses elementos em produtos concretos. A qualidade da impressão, o tipo de papel utilizado e a precisão na reprodução das cores são aspectos que a gráfica precisa cuidar para garantir que o material final corresponda aos objetivos estabelecidos pela equipe do CPP.

Resultado
Ao final de todo esse percurso, o material ganha vida. Do Centro de Produção Pedagógica, ele encontra seu caminho para as mãos dos alunos, famílias e professores. Cada livro, apostila e recurso visual representa não apenas informações, mas também muita dedicação e carinho pelo processo de aprendizagem.

 

A importância de conversar sobre o uso dos eletrônicos na infância

Seja em casa, ou na escola, a tecnologia está presente em diferentes aspectos na vida das crianças. No contexto educacional, os eletrônicos também têm ocupado um espaço importante. No entanto, especialmente na Educação Infantil, devemos redobrar a atenção para que este uso não seja prejudicial. No Blog Educar de hoje, exploraremos a relação entre eletrônicos e educação na infância, destacando os benefícios e também os cuidados que as famílias e os educadores devem tomar para extrair o melhor uso dos aparelhos eletrônicos.

‌A tecnologia tem o potencial de revolucionar as aprendizagens, proporcionando experiências interativas e personalizadas. Ao oferecer atividades educacionais envolventes, os eletrônicos estimulam a curiosidade e a descoberta nas crianças, contribuindo para seu desenvolvimento. Embora essa ferramenta ofereça inúmeros benefícios para o aprendizado dos pequenos, é importante destacar que a supervisão adequada e o equilíbrio são fundamentais. Os dispositivos não devem, em hipótese alguma, substituir as interações sociais, brincadeiras ao ar livre e atividades físicas. Os educadores e pais devem estabelecer limites de tempo de tela, supervisionar os conteúdos e garantir que o uso dos aparelhos seja complementar a outras atividades educacionais e de lazer. Os eletrônicos são ferramentas poderosas que, quando usadas com responsabilidade, podem abrir um mundo de possibilidades para educação infantil.

Veja o vídeo da fonoaudióloga Regina Nagamine, que possui formação em psicanálise infantil e é mestra em linguística.

Desfralde sem traumas: veja algumas dicas da psicóloga Roberta Amendola

O desenvolvimento infantil tem grandes marcos de crescimento e descobertas. Entre esses marcos, destacamos o desfralde, quando a criança passa pelo processo de autonomia e de conhecimento do próprio corpo e já mostra uma evolução em sua independência.

Durante esse processo, é natural que a família fique apreensiva e ansiosa, pois não respeitar que cada criança tem o seu próprio tempo pode gerar desconforto e frustração, tanto por parte dos pais quanto da criança.

Para viver essa fase tão importante sem traumas, vale a pena ter em mente algumas informações:

  1. Respeitar  o tempo da criança: segurar a ansiedade é superimportante, afinal de contas, o que mais vai importar nesse processo é o tempo da criança e não o dos pais e/ou responsáveis;
  2. Ter atenção aos sinais: quando a criança estiver apta para entrar nesse processo, ela vai sinalizar, mesmo que seja através do desconforto em estar com a fralda suja;
  3. Começar o desfralde diurno: para uma melhor adaptação, o processo de desfralde deve começar em casa e pelo dia, período em que a criança está mais ativa e que pode sinalizar, caso sinta necessidade de ir ao banheiro.

No vídeo de hoje, a psicóloga Roberta Amendola traz algumas orientações de como se preparar para essa fase! Confira:

 

Saúde na Escola: 4 dicas de como prevenir as crianças de doenças respiratórias

Neste período do ano, à medida que o tempo muda, estamos mais suscetíveis a contrair algumas doenças comuns, como gripes, resfriados e viroses que afetam o sistema respiratório. No post de hoje, vamos lembrar alguns cuidados que as famílias podem tomar com a saúde dos pequenos durante esta temporada para garantir o bem-estar de todos os alunos.

 

Com a mudança de tempo, é natural que as crianças fiquem mais vulneráveis a doenças respiratórias, pois seus sistemas imunológicos ainda estão em desenvolvimento. No entanto, existem precauções que podemos tomar para minimizar os riscos. Aqui estão 4 dicas importantes:

1‌. Manter uma boa higiene

Incentive as crianças a lavarem as mãos regularmente, especialmente antes das refeições e após o uso do banheiro. Isso ajuda a reduzir a propagação de vírus, germes e bactérias.

2. Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar

Ensine as crianças a utilizar o braço ou um lenço descartável ao tossir ou espirrar. Dessa forma, evitamos a disseminação de gotículas contaminadas.

3. Reforçar a imunidade

Uma alimentação equilibrada com frutas, legumes e alimentos ricos em vitaminas, ajuda a fortalecer o sistema imunológico das crianças. Garanta que seus pequenos estejam recebendo todos os nutrientes necessários para uma boa saúde.

 

4. Vacinação em dia

Verifique com o pediatra se todas as vacinas estão em dia, incluindo a vacinação contra a gripe. A vacinação é uma medida simples e fundamental para prevenir doenças contagiosas.

Com atenção e cuidado, conseguimos promover um ambiente muito mais acolhedor e seguro para nossas crianças.

Atenção: Surgindo quaisquer sintomas, a criança não deve frequentar a escola. A orientação médica é muito importante para uma conduta assertiva.

 

Dicas de como combater o bullying na escola

O bullying é uma das formas mais prejudiciais de violência escolar, afetando negativamente a vida de muitos estudantes em todo o mundo. Como resultado, é essencial que as escolas abordem esse problema de frente e promovam um ambiente educacional saudável e seguro para todos os alunos.

Entendemos que para combater efetivamente o bullying, é essencial estabelecer um ambiente que valorize o respeito, o diálogo e a diversidade. Por meio de atividades, dinâmicas e palestras, os alunos aprenderam a reconhecer os sinais do bullying e a importância de falar sobre isso com sua família, colegas e professores.

É importante que os pais também se envolvam nesse diálogo, apoiando seus filhos e ensinando-os a lidar com situações de bullying, estimulando o respeito às diferenças e às singularidades de cada indivíduo.

Ao falar sobre bullying nas escolas, estamos não apenas abordando um problema sério, mas também promovendo uma cultura de respeito, tolerância e segurança para todos os alunos. Todos nós temos o dever de trabalhar juntos para combater o bullying e criar um ambiente educacional mais saudável e positivo.

Assista ao vídeo e veja como temos ajudado a prevenir e combater esse problema que afeta tantos estudantes. Juntos, podemos fazer a diferença!

 

Dicas para uma adaptação infantil de sucesso

Começos são desafiadores, não é mesmo? O primeiro dia de aula é cheio de expectativas, medos e anseios, pois sabemos que o início dessa jornada requer muito acolhimento, paciência e, claro, afeto.
O período de adaptação abriga um processo delicado no qual a criança se desvincula do convívio em tempo integral com a família e passa a ser inserida em uma nova rotina, cercada também por pessoas desconhecidas para ela. Esse momento é superimportante para um desenvolvimento saudável, permitindo a individualização, a autonomia, a segurança e a independência da criança, possibilitando que ela crie vínculo e se identifique com esse novo espaço que é a escola.
Essa ruptura causa instabilidade tanto nas crianças quanto nos pais, que são peça fundamental para uma transição leve, que trará mais segurança e confiança para os pequenos.
Quer saber mais um pouco sobre esse tema tão importante? Assista ao vídeo da psicóloga escolar Roberta Amendola e veja como se preparar para essa etapa tão significativa da vida do seu filho.

 

Geração Protagonista: saiba mais sobre a campanha anual da Espaço Educar

Desde os primeiros passos, no Minimaternal, a Escola Espaço Educar assume um papel de promotora da autonomia infantil, dedicando-se, juntamente com seus colaboradores, a desenvolver o protagonismo de seus alunos com base nos valores humanos essenciais, pensamento crítico e afetividade. Pensando nisso, a escola criou a campanha Geração Protagonista, mais uma forma de trazer esse assunto tão importante para o dia a dia das crianças e das famílias.

Durante o ano, as crianças terão a oportunidade de se verem e se colocarem no papel de “artistas principais” no palco da vida, desenvolvendo habilidades socioemocionais que constroem um caráter investigador, criativo e consciente. Para a diretora-executiva Sílvia Melo, é urgente e necessário abordar esse tema: “Estimular e promover o protagonismo deve ser tarefa compartilhada com todos aqueles que se dedicam a educar crianças e jovens.”

Esse estímulo, atrelado ao currículo tradicional, dá possibilidades de desenvolver o potencial particular de cada criança, potencializado seus pontos fortes e se desafiando a melhorar seus pontos fracos.

A construção do entendimento sobre a importância do protagonismo infantil nos leva a refletir nosso papel enquanto ser social e em com nossas crianças estão assimilando diversos temas importantes da atualidade, como mudança climática, resolução de problemas, justiça social e saúde mental. É plantar a semente de que a autonomia nos mostra um novo ângulo de encarar as vivências diárias, experimentando novidades que essa perspectiva proporciona.